quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Ditos e Escritos - Vol. VII - Arte, Epistemologia, Filosofia e História da Medicina


A edição Arte, epistemologia, filosofia e história da medicina, agora sétimo volume da série dos Ditos e escritos de Michel Foucault, vai permitir aos leitores de língua portuguesa e aos pesquisadores que se orientam pelas pistas que ele abriu para o pensamento e a ação terem uma perspectiva nova do sentido e do alcance geral do conjunto de sua obra. Com esta nova série de quatro volumes, que reúne ensaios, leituras, prefácios e resenhas – muitos virtualmente inacessíveis antes da edição francesa –, mais de 3 mil páginas dos textos do filósofo vão nos permitir situá-lo nas transformações e lutas que agitaram a vida intelectual, política, científica, literária e artística do século XX. Com muitos textos publicados originalmente em português, japonês, italiano, alemão, inglês e francês, permite-nos repensar seu papel e o alcance e o efeito de sua obra.

Sumário
Apresentação à Edição Brasileira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . VII
1 – Estética da existência
1963 – Vigia da Noite dos Homens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3
1963 – Espreitar o Dia que Chega . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8
1963 – Um “Novo Romance” de Terror . . . . . . . . . . . . . . . .16
1964 – Debate sobre a Poesia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19
1964 – A Linguagem do Espaço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .36
1964 – Palavras que Sangram . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .42
1964 – Obrigação de Escrever . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .46
1969 – Maxime Defert . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .47
1973 – Foucault, o Filósofo, Está Falando. Pense. . . . . . . . .49
1975 – A Festa da Escritura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .52
1976 – Sobre “História de Paul” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .56
1976 – O Saber como Crime . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .62
1976 – Entrevista com Michel Foucault . . . . . . . . . . . . . . . .70
1976 – Por que o Crime de Pierre Rivière? . . . . . . . . . . . . . .75
1976 – Eles Disseram sobre Malraux . . . . . . . . . . . . . . . . . .78
1976 – O Retorno de Pierre Rivière . . . . . . . . . . . . . . . . . . .79
1977 – Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .89
1978 – Uma Enorme Surpresa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .91
1982 – O Pensamento, a Emoção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .94
1982 – Conversa com Werner Schroeter . . . . . . . . . . . . . .102
2 – Epistemologia, genealogia
1957 – A Pesquisa Científica e a Psicologia . . . . . . . . . . . .115
1966 – Michel Foucault, As palavras e as coisas . . . . . . . .138
1966 – Entrevista com Madeleine Chapsal . . . . . . . . . . . . .145
1966 – O Homem Está Morto? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .151
1968 – Entrevista com Michel Foucault . . . . . . . . . . . . . . .157
1968 – Foucault Responde a Sartre . . . . . . . . . . . . . . . . . .169
1968 – Uma Precisão de Michel Foucault . . . . . . . . . . . . . .176
1968 – Carta de Michel Foucault a Jacques Proust . . . . . .178
1970 – Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .182
1970 – A Armadilha de Vincennes . . . . . . . . . . . . . . . . . . .184
1971 – Entrevista com Michel Foucault . . . . . . . . . . . . . . .192
1975 – Carta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .211
1976 – A Função Política do Intelectual . . . . . . . . . . . . . . .213
1976 – O Discurso Não Deve Ser Considerado Como... . . .220
1978 – A Cena da Filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .222
1981 – A Roger Caillois . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .248
1983 – Trabalhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .250
1984 – O Estilo da História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .252
1984 – O que São as Luzes? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .259
3 – Filosofia e história da medicina
1968 – Os Desvios Religiosos e o Saber Médico . . . . . . . . .271
1969 – Médicos, Juízes e Bruxos no Século XVII . . . . . . . .284
1969 – Títulos e Trabalhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .299
1972 – As Grandes Funções da Medicina em
Nossa Sociedade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .305
1973 – O Mundo É um Grande Hospício . . . . . . . . . . . . . .307
1975 – Hospícios. Sexualidade. Prisões . . . . . . . . . . . . . . .310
1975 – Radioscopia de Michel Foucault . . . . . . . . . . . . . . .323
1975 – Michel Foucault, as Respostas do Filósofo . . . . . . .343
1976 – A Política da Saúde no Século XVIII . . . . . . . . . . . .357
1976 – Crise da Medicina ou Crise da Antimedicina? . . . . .374
1976 – A Extensão Social da Norma. . . . . . . . . . . . . . . . . .394
1976 – Bio-história e Biopolítica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .399
1977 – O Nascimento da Medicina Social . . . . . . . . . . . . . .402
1978 – Introdução por Michel Foucault . . . . . . . . . . . . . . .425
1978 – Uma Erudição Estonteante . . . . . . . . . . . . . . . . . . .441
1978 – A Incorporação do Hospital na
Tecnologia Moderna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .444
1979 – Nascimento da Biopolítica . . . . . . . . . . . . . . . . . . .459
1983 – Troca de Cartas com Michel Foucault . . . . . . . . . .467
1984 – A Preocupação com a Verdade . . . . . . . . . . . . . . . .472
Índice de Obras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .477
Índice Onomãstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .479
Índice de Lugares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .484
Índice de Períodos Históricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .485
Organização da Obra Ditos e Escritos . . . . . . . . . . . . . . . .487

ISBN: 9788521804949
Autor: Michel Foucault
Selo Editorial: FOR UNIV
Acabamento: Brochura
Formato: 14 x 21
Edição: 1|2011
Número de páginas: 540
Peso: 0.61 kg

Fonte: Grupo Gen

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Primeiro Colóquio Internacional Michel Foucault: A Judicialização da Vida

Em particular, dentre o pensamento de Michel Foucault, nos interessa abordar os fundamentos, os modos de operar e os efeitos das práticas próprias à sociedade liberal no contemporâneo, ou seja, as práticas no contexto neoliberal, centradas na lógica penal. A ênfase nas regras, normas, diretrizes legais tem se naturalizado tanto no campo da intervenção profissional, quanto no movimento social. Os efeitos próprios à lógica judiciária invadem os estabelecimentos prestadores de serviços no cotidiano e os estudos, requerendo um olhar atento dos pesquisadores, dos profissionais em formação e daqueles que executam as políticas para colocar em análise as perspectivas por meio das quais atuamos. Tal o maior argumento para a realização de uma discussão sobre a judicialização da vida a partir das ideias de Michel Foucault.

Data: 5, 6 e 7 de Outubro de 2011.

Local: UERJ, Auditório 11 (Campus Maracanã).

Mais informações:

http://foucaultjudicializacao.com.br/


terça-feira, 6 de setembro de 2011

Alteração da data de retorno do segundo semestre


Olá gente,

Tivemos um choque de data com as professoras do Campus de Bacabal (Maria José e Cíndia), que estarão em reunião no mesmo dia que havíamos marcado nossa volta. Como é imprescindível a presença de todos nesse retorno para nossa devida reestruturação, fica adiada nossa reunião para 20/09/2011 na sala 4 do Mestrado em Educação às 14:30h.

Grato pela compreensão de todos,

Ramon Alcântara
Qualquer coisa grita nóiz, tamo à paisana (Emicida)

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

2011.2

"O novo não está no que é dito, mas no acontecimento de sua volta".(Foucault)

Querid@s foucaultianos,

Vamos iniciar mais uma etapa dessa nossa trajetória. Por isso, sintam-se todos convidados e convocados para nossa reunião de estudos no próximo dia 13.09, às 14h30, na sala 02 - prédio do Mestrado.

PAUTA:
  • Reestruturação das atividades do grupo;
  • Atualização e divulgação do cronograma do 2º semestre;
  • Avaliação das atividades do 1º semestre;
  • Próxima sessão de estudos.
Abraços fraternos,
A coordenação